Quem Somos

Sobre Nós

Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental

APPACDM – Delegação da Figueira da Foz é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, que iniciou a sua atividade no ano de 1991, de âmbito nacional cujos objetivos consistem na promoção da integração da sociedade do cidadão com deficiência mental, no respeito pelos princípios de normalização, personalização individualização e bem-estar.

O seu âmbito de intervenção direta é no concelho da Figueira da Foz e os seus objetivos e a sua filosofia de atuação consiste na integração do cidadão com deficiência mental e/ou motora, no respeito pelos princípios de normalização, personalização individualização, bem-estar, integridade, rigor, confidencialidade e privacidade.

Na sua atividade inicial, destacam-se claramente intervenções no domínio da educação especial, nomeadamente no Centro de Apoio Sócio Educativo, onde eram atendidas crianças e jovens com idades compreendidas entre os 6 e os 18 anos e no Centro de Atividades Ocupacionais (CAO), onde eram atendidos jovens com idades superiores aos 15 anos.

Posteriormente alargou o seu âmbito de intervenção às idades mais precoces, criando um Centro de Estimulação Precoce onde funcionam as respostas de Creche e Jardim de Infância.

Também as idades mais avançadas foram alvo da preocupação da organização em relação às respostas necessárias à comunidade apoiada, criando, para o efeito, um Lar Residencial que acolhe jovens em situação de risco familiar e idosos deficientes sem respostas familiares.

Na zona em que a organização se insere dispõe atualmente de 3 unidades de atendimento de CAO (Buarcos, Alhadas e Gala).
Mais recentemente, a organização dispõe da resposta de acolhimento temporário na Gala, cujo objetivo principal se trata de acolher crianças em risco com idades compreendidas entre os 0 e os 12 anos.

De salientar ainda que a organização foi parceira no Projeto Municipal “Crescer em Harmonia”, desenvolvendo um papel fundamental como recurso em atividades de apoio às escolas do concelho.

A iniciar em 2019 com o arranque do projeto-piloto nacional com um Centro de Apoio à Vida Independente (CAVI).

Presentemente presta serviços a 238 pessoas nas valências de Creche, Pré-escolar, Centro de Atividades Ocupacionais, Lar Residencial, Centro de Acolhimento Temporário e Centro de Apoio à Vida Independente.
Para o bom desempenho destes serviços conta com a participação de 79 colaboradores.

 

Designação social: APPACDM DA FIGUEIRA DA FOZ – Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental.

NIPC: 504 646 761

Forma jurídica: Instituição Particular de Solidariedade Social

A Constituição da APPACDM DA FIGUEIRA DA FOZ foi publicada no Diário da República, III série, Nº 13, de 16 de janeiro de 2001.
A APPACDM DA FIGUEIRA DA FOZ encontra-se registada sobre o número 87/2002, a fls 102, 102 v.º 103 do Livro n.º 9 das Associações de Solidariedade Social.
Registada como ONGPD de Âmbito Local – Registo n.º226 /2017 – INR, I.P.

Missão

Ser uma Instituição de Referência nos domínios educacional, social, ocupacional e residencial otimizando a promoção da Qualidade de Vida dos seus clientes.

Visão

Promover a integração na sociedade do cidadão com deficiência mental e/ou motora, no respeito pelos princípios de normalização, personalização, individualização e bem-estar.

Valores

Respeito pelos princípios de normalização, personalização individualização, bem-estar, integridade, rigor, confidencialidade e privacidade.

Normalização

Princípio que representa a base da integração. Não se trata de normalizar as pessoas, mas oferecer aos portadores de necessidades especiais, modos e condições de vida diária o mais semelhantes possível às formas e condições de vida do resto da sociedade.

 

Personalização

O direito a igualdade para as pessoas com deficiência intelectual não se limita à equiparação de oportunidades, mas requerem também medidas apropriadas, ações afirmativas, adaptações ou apoios. Garantir a presença, a disponibilidade, o acesso e utilização de serviços adequados que sejam baseados nas necessidades pessoais.

 

Individualização

Todas as pessoas com deficiências intelectuais são cidadãos plenos, iguais perante a lei e como tais devem exercer seus direitos com base no respeito nas diferenças e nas suas escolhas e decisões individuais.

 

Bem-Estar

Para as pessoas com deficiências intelectuais, assim como para as outras pessoas, o exercício do direito à saúde requer a inclusão social, uma vida com qualidade, acesso à educação inclusiva, acesso a um trabalho remunerado e equiparado, e acesso aos serviços integrados da comunidade.

 

Confidencialidade

Restringe o conhecimento de dados dos clientes às pessoas que deles necessitam para o exercício do conteúdo funcional do cargo.

 

Rigor

Toma decisões com base em factos e executa tarefas e registos conforme definido nos procedimentos.

 

Integridade

Respeita os deveres e os direitos de todas as partes interessadas e as regras organizacionais de conduta.

 

Privacidade

Respeita espaços e tempos afetos à fruição dos clientes.

Estratégia

A nossa estratégia actual e para o futuro

Consolidar a autossustentabilidade financeira da organização através dos processos de controlo de gestão, melhorando a utilização eficiente dos seus recursos e apostando na inovação e desenvolvimento.

Garantir a qualidade e abrangência dos serviços prestados como contributo fundamental para a Qualidade de Vida da população-alvo, mantendo a sua orientação para o cliente e família garantindo a participação efetiva dos mesmos, através da capacitação dos recursos humanos (garantindo a estabilidade/satisfação das equipas, aumentando e diversificando o nível de qualificação dos colaboradores, clarificando níveis de atuação) e da modernização das suas infraestruturas.

Melhorar a sua eficácia e eficiência assegurando a melhoria contínua dos processos de trabalho e a orientação para os resultados.

Reforçar o papel social da organização, promovendo boas práticas, a defesa de direitos e defesa de princípios éticos que contribuam para uma imagem positiva de si e do sector dos serviços sociais onde atua, em defesa da população com deficiência mental e/ou motora e suas famílias, contribuindo para uma sociedade mais aberta e inclusiva.

Orgãos Sociais

Assembleia Geral

Presidente: Joaquim José da Silva Barraca
Vice–Presidente: Maria Adelaide Prior Reis Pinho
Secretário: Ana Rita Clara Santos Motas Fernandes

Direcção

Presidente: António Francisco Guerra Padrão
Vice-Presidente: Carlos Augusto Saraiva dos Santos
Secretário: Maria Fernanda Trafaria Soares Tomé
Tesoureiro: Luís dos Reis Pinho
Vogal: Maria Helena Paiva Cruz

Suplentes:

  1. Maria Cristina Saúde Saraiva de Carvalho;
  2. António Martinho de Almeida;
  3. Dulce Helena Saraiva dos Santos;
  4. José dos Santos Cordeiro;
  5. Fernando Almeida Baptista.

Conselho Fiscal

Presidente: Urbano Martins Oliveira
1º Vogal: Maria Fernanda Monteiro Gomes
2º Vogal: Maria Teresa Acúrcio Matos Marques

Suplentes:

  1. Maria Virgolina Barraca Reis Carvalho;
  2. Maria Manuela Mendes Pedrosa.